Aqui é o lugar onde a Fíel Torcída é ouvída de verdade

       
 

Veja o que disse o técnico Fábio Carille em coletiva após o jogo

 
       
 

Torcida comemorou empate no último minuto, em estreia do Alvinegro no Paulistão, na Arena Corinthians

 
  Por:

Voz da Fiel

20/01/2019 19:34:29  
       
 
 
 
       
     
  Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians  
       
  Sobre as mudanças pelos lados do campo:

"Jogar com o André é uma situação de ter o adversário mais aberto. Ele não é driblador, mas é velocista. A ideia de entrar com Pedrinho era para que tivesse mais combinação, jogo de passe, e não de velocidade. Gustavo (Silva) é mais agudo do que o Sornoza. Por isso a mudança pelos lados", afirmou Carille.

Sobre a atuação:

"Eu acho que estamos no caminho certo, não tem de cobrar. Pensando rápido, de terminar melhor no terço final. Fazer a escolha melhor, um cruzamento melhor, uma finalização melhor. É o próximo passo para trabalhar com os jogadores".

Onde a equipe errou?

"Para mim, independentemente do resultado, não apaga o que temos de melhorar ou continuar trabalhando. Ganho de 2 a 0 e quero estar melhor para o próximo jogo. Cobro muito para não olhar resultado. Acho que está muito positivo pelo tempo de trabalho. Do tempo que estou aqui, muitas mudanças, jogadores chegando ainda. Nesse início vamos ter dificuldade. Precisamos de maturidade para não se perder nesse momento. Ressaltar muito mais as coisas positivas do que as negativas".

Está sentindo falta de Romero ou um jogador parecido?

"Não consigo ainda saber, é tão pouco trabalho. Sei das qualidades do Romero, sei a moral que construiu com o torcedor. Temos de esperar, a diretoria está resolvendo. O André pode ser esse jogador, o Gustavo (Silva) pode ser. O Pedrinho, não. Se caso o Romero não ficar no clube, temos de trazer jogadores com esse perfil. E isso é com o tempo".

Gol no fim é importante emocionalmente?

"Sim, é claro que empate é muito melhor do que derrota. Não é o gol que vai mudar. Gol tipo Corinthians, com viradas, buscando no final, é claro que saímos satisfeitos com o ponto".
 
      
 
 
 
  Quando Boselli vai jogar?

"Ainda não tenho referência. Amanhã ele fará o primeiro coletivo com o pessoal que não jogou hoje para começar a programar quando vai estrear. Tem que ter calma, muito tempo sem trabalhar com bola. Importante é entrar em campo bastante confiante".

Sobre a atuação de Sornoza:

"Eu tenho a ideia de trabalhar com dois meias. Quero que ele gire mesmo. Muitas vezes, gira no momento errado. Ainda não está acertando o momento de fazer. Com o dia a dia, ele vai saber a melhor hora de aparecer do lado do Jadson e ser mais um meia".

Pode colocar Ramiro pelos lados do campo?

"Ele rodou com qualidade, a bola passou por ele. Acho que vai crescer muito, buscou triangulações com André e Fagner. A princípio, é usar ele por dentro (como volante)".

Dá trabalho reconstruir um time?

"Dá trabalho, mas é um dever nosso. Mas assim... Como eu estou feliz de estar tendo ideias, principalmente defensiva. Ano passado o clube tomou muitos gols. Já é uma organização muito legal. Buscar passe, com uma saída melhor, mais qualificada de trás, principalmente com Ramiro baixando com o primeiro volante. Temos tudo para crescer. Eu, com a comissão e a diretoria, estamos satisfeitos com o início de trabalho e agora a tendência é que cresça a cada jogo".

Faltou pontaria?

"Muito feliz pela jogada construída e triste por não terminar bem. Já estão se encontrando, buscando... É um processo natural de a perna estar um pouco pesada e de não ter uma finalização precisa. Mas agora é nosso próximo passo de melhora".

Vai manter o time considerado titular?

"Durante os dois anos tiveram algumas vezes que fizemos mudanças. A princípio, vejo mudanças contra a Ponte. Sequência de fazer dois jogos e descansar um. Contra o Guarani, ainda não (sem mudanças)".

Saudade da Arena cheia?

"Vou brincar um pouco. Contra o Santos não valeu? E se eu perco de quatro aqui (risos). Estou muito feliz e a cada dia muito surpreso. Uma sensação muito gostosa de estar de volta e poder fazer um grande trabalho".

Lado direito bem, lado esquerdo mal:

"O que um técnico busca sempre é equilíbrio, defensivo, ofensivo, marcar bem dos dois lados, chegar bem dos dois lados, fazer o Jadson chegar bem com o Sornoza. Nos treinamentos está muito legal quando eles começam a buscar passe um para o outro, com aproximação. Agora é o tempo que vai fazer melhorar. Sei que lado direito mais pronto hoje, precisando de alguns ajustes, e o lado esquerdo precisando ajustar bastante", afirmou Carille.

Vai dar sequência para o Marllon?

"Fiz questão de iniciar com ele por não conhecer muito bem. O Léo terminou, acompanhei todos os jogos do Corinthians lá (Arábia). O Pedro jogou muito comigo. Estou com zaga bastante equilibrada, com Manoel chegando, um jogador de força, velocidade, imposição física. Está aberto. Falei na preleção hoje e quero deixar claro: o time que iniciou o Paulista de 2017 terminou com cinco mudanças. Está muito aberto, estou conhecendo o grupo. Vamos ter de conhecer as características nos treinos e nos jogos do Paulista", explicou Carille.