& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Rosenberg faz analogia a mulher com Aids sobre Naming Rights

 
       
 

o diretor de marketing Luis Paulo Rosenberg se envolveu em mais uma polêmica

 
  Por:

Voz da Fiel

22/02/2019 06:50:57  
       
 
 
 
       
   Rosenberg faz analogia a mulher com Aids sobre Naming Rights   
  Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press  
       
  O diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, entrou em mais uma polêmica nesta quinta-feira. Questionado a respeito da demora na venda dos naming rights da Arena Corinthians, prometida desde antes da inauguração do estádio, em 2014, o dirigente fez uma analogia com uma “mulher com Aids” para exemplificar a situação.

“O apelo da marca Corinthians é tão grande que temos quatro grandes grupos interessados em vir. É mais ou menos… Eles se sentem na situação de estar vendo a esposa perfeita, com dotes culinários, formada com MBA no exterior, uma mãe de filhos maravilhosos, mas parece que tem um teste de Aids positivo”, disse, em entrevista à ESPN Brasil, usando um contraceptivo para tentar explanar qual seria a solução.

“Como é que eu encaixo a camisinha é o grande desafio”, concluiu o dirigente, fazendo alusão a uma mulher portadora do vírus HIV. Contraído por meio de contato com sangue ou relação sexual, o vírus é detectado no teste inicial, citado na analogia de Rosenberg.
 
      
 

 
  A Aids é uma condição decorrente do paciente que desenvolveu uma síndrome de imunodeficiência adquirida, perdendo a capacidade de reagir a infecções ou outras doenças no seu corpo. Ela só aparece em estágios avançados da doença, porém.

Os naming rights, que já tiveram diversos prazos para serem negociados e anunciados, seguem no plano das ideias no Alvinegro. Depois de acertar um contrato de patrocínio master com o BMG, no mês passado, o Alvinegro colocou como meta principal essa negociação.

O diretor, por sinal, já havia causado polêmica na segunda ao lançar a campanha do “Corinthianismo”, que compara a torcida pelo clube a uma religião. Antes, ainda na sua primeira passagem pelo Corinthians, havia dito que, “como todo morador de Higienópolis, tinha alergia a Itaquera” e chamou o Morumbi de “Panetonne”.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Gazeta Esportiva