Aqui é o lugar onde a Fíel Torcída é ouvída de verdade

       
 

Richard, do Corinthians, quase largou o futebol há dois anos

 
       
  Segundo Marcelo Braga (Globo Esporte),

o volante foi trabalhar com caminhões, mas uma excursão a Dubai mudou o rumo da carreira

 
  Por:

Voz da Fiel

11/01/2019 08:31:33  
       
 
 
 
       
     
  Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians  
       
  Um dos sete reforços do Corinthians para a atual temporada, o volante Richard flertou com a vida fora do futebol no fim de 2016, pouco antes de acertar com o Atibaia. A insistência, porém, levou o jogador para o Fluminense no meio de 2017 e, neste ano, para o Corinthians, seu clube de infância.

Natural de Campinas, no interior de São Paulo, ele cresceu em São Sebastião do Paraíso, em Minas Gerias. Começou a carreira no Monte Azul e se profissionalizou no Comercial de Ribeirão Preto.

Em difícil caminhada, rodou por diversos clubes do interior de São Paulo, como o Atlético Sorocaba, até voltar a Minas Gerais no fim de 2016 para buscar um emprego fora dos campos.

– Há um ano e meio estava pensando em parar de jogar. Trabalhava em outra função, carregando caminhão. Hoje vivo meu maior sonho. Pensei em parar, mas o que Deus fez na minha vida ninguém faria. Vou agarrar a oportunidade da melhor forma possível – disse Richard, em sua apresentação.
 
      
 
 
 
  Fora do futebol, a função de Richard era socorrer caminhoneiros em estradas. O serviço durou cerca de três meses.

– Eu trabalhava com (eixo) cardã de caminhão. Quando o caminhão quebrava, a gente ia fazer socorro. Quando não era isso, trabalhava dentro da empresa mesmo, lavando os cardãs. E também fazia entrega deles em outras cidades de carro – detalhou o jogador.

Hoje aos 24 anos, Richard viu sua vida mudar naquele mesmo ano de 2016. Convidado para integrar uma excursão em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, ele participou de alguns jogos, destacou-se e foi visto pelo presidente do Atibaia, Alexandre Scatibaia. Na volta ao Brasil, firmaram contrato.

– Era dezembro de 2016, e um técnico que trabalhou comigo ia fazer essa excursão e me pediu dois jogadores emprestados (Gledson e Tavares). Aceitei, resolvi ir a Dubai também e vimos o Richard jogando lá. Ele atuou de segundo volante neste jogo, jogando muito, fez gol de fora da área. Chamei para conversar no final do jogo e o trouxe para o Atibaia. Tive concorrência da Portuguesa na época, mas consegui convencê-lo – lembra Alexandre Barbosa.