& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Pressão pode causar demissão de Rosenberg no Corinthians

 
       
 

diretor de marketing comparou arena a uma esposa com vírus HIV

 
  Por:

Voz da Fiel

23/02/2019 15:00:40  
       
 
 
 
       
   Pressão pode causar demissão de Rosenberg no Corinthians   
  Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians  
       
  Luis Paulo Rosenberg está no bico do corvo no Corinthians. Aliados importantes do presidente Andrés Sanchez fazem enorme pressão desde sexta-feira para que ele demita o diretor de marketing alvinegro depois de uma declaração desastrosa na Espn Brasil, um dia antes.

Rosenberg comparou a dificuldade do Corinthians em vender os naming rights de sua arena a uma esposa com o vírus HIV. “O apelo da marca Corinthians é tão grande que temos quatro grandes grupos muito interessados em vir. Eles se sentem na situação de estar vendo a esposa perfeita, com dotes culinários, formada com MBA no exterior, uma mãe de filhos maravilhosos, mas parece que tem um teste de Aids positivo. Como é que eu encaixo a camisinha é o grande desafio”, disse, durante o programa Espn Bom dia.

A repercussão foi estrondosamente negativa. “O Andrés passou a sexta-feira tentando apagar mais esse incêndio causado pelo Rosenberg”, explica um diretor. “E foi só mais uma mancada do Rosenberg, que outro dia havia dito que o patrocínio do BMG era de R$ 30 milhões”, acrescenta, citando a apresentação do novo parceiro máster, que paga R$ 12 milhões por ano.
 
      
 

 
  “O Rosenberg também já havia causado na última reunião do Conselho Deliberativo do Corinthians, no ano passado. Ele falou um monte de coisas consideradas absurdas pelos conselheiros e queimou seu filme”, relembra o diretor alvinegro, pedindo para não ter sua identidade revelada.

Andrés tentará convencer Rosenberg a pedir para sair, diminuindo o impacto de uma demissão. Se o diretor de marketing não aceitar, ele correrá o risco de ser dispensado.

Nesta sexta, em meio à enxurrada de críticas, Rosenberg se pronunciou por meio de uma nota oficial: “Errei, foi uma comparação infeliz, anacrônica e que não condiz com a minha prática à frente do clube sempre incentivando mais e mais a presença e participação feminina no futebol. Lamento profundamente por aqueles que de maneira direta ou indireta foram atingidos pela repercussão de uma analogia infeliz, feita durante um programa ao vivo de maneira espontânea e impensada. Sinto muito!”.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Jorge Nicola (Yahoo Esportes)