& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Presidente do TJD ameça punir o Timão com WO se o clube não entrar em campo

 
       
 

O Corinthians pode perder por WO e ser punido com 3 a 0 se não jogar final

 
  Por:

Voz da Fiel

11/04/2019 15:38:28  
       
 
 
 
       
   Presidente do TJD ameça punir o Timão com WO se o clube não entrar em campo   
  Foto: Reprodução/Internet/Voz da Fiel  
       
  Pelas palavras do TJD, o Corinthians pode ter que decidir em casa com uma desvantagem considerável, caso não entre em campo para disputar o primeiro jogo da final do Campeonato Paulista contra o São Paulo, neste domingo, no Morumbi. Segundo o delegado Antonio Olim, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, o time alvinegro perderia a partida por WO (3 a 0), caso o departamento jurídico do time não permita que os atletas joguem por causa de um possível apedrejamento na chegada ao Morumbi.

"A consequência seria o WO. O Corinthians não vai querer ir com uma derrota para o próximo jogo, não acredito que aconteça isso. Se acontecer isso, vão ser presos [quem atirou a pedra]", disse Olim.
 
      
 

 
  Segundo publicou o Meu Timão, o Alvinegro enviou ofícios ao próprio São Paulo, à Polícia Militar, ao promotor de Justiça Paulo Castilho e à Federação Paulista de Futebol. No texto, o alerta: não vai ter jogo caso os torcedores rivais ataquem o ônibus corinthiano, como não raro acontece no entorno do Morumbi.

"Não acho que vá acontecer isso, até pelo respeito do Andrés Sanchez (presidente do Corinthians) com os torcedores. Não temos nada a ver com isso. O Poder Público tem a ver com segurança. A segurança vai ser dobrada. Se acontecer quando chegar ao estádio, tem de respeitar o regulamento e os torcedores. Vai ter consequência se não entrar em campo. Mas não acredito vá acontecer isso [apedrejamento de ônibus] e que não vão jogar. É mais uma guerra [psicológica], um jogo nervoso, e o São Paulo não tem esse interesse que isso [apedrejamento] aconteça", completou Olim.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Voz da Fiel