Aqui é o lugar onde a Fíel Torcída é ouvída de verdade

       
 

O Corinthians de 2018 deve ganhar nova chance contra o Santos

 
       
  Segundo Tomás Rosolino (Gazeta Esportiva),

o time que encerrou a temporada de 2018 deverá ser utilizado no amistoso contra o Santos

 
  Por:

Voz da Fiel

11/01/2019 08:53:44  
       
 
 
 
       
     
  Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press  
       
  A base utilizada pelo Corinthians na última temporada deve ganhar mais uma chance neste domingo, contra o Santos, às 17h30 (de Brasília), na Arena, no segundo amistoso da equipe antes de iniciar as partidas oficiais do ano. Mesmo perdendo para o Nacional-SP, os jogadores são vistos ainda fora da forma ideal e um embate frente a outro grande é tratado como mais justo no atual cenário.

O entendimento se dá porque, mesmo com a abissal diferença entre o time da Barra Funda e o da Vila Belmiro, os atletas que vão disputar a Série A2 começaram a trabalhar dois meses antes, no começo de novembro. O Peixe, por outro lado, retomou os treinamentos apenas um dia antes do Timão, conseguindo dar ao seu grupo mais ou menos a mesma carga de trabalho.

Nesta quinta, o técnico Fábio Carille escalou o time com Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Thiaguinho; Pedrinho, Jadson e Clayson; Roger. Com clara dificuldade para encarar o forte sol da manhã em São Paulo, os atletas tentaram segurar o ritmo e apostar na posse de bola. Em melhor condição física já que começou a treinar dois meses antes do Timão, o Naça pressionou bastante a saída de bola e criou dificuldades.
 
      
 
 
 
  A expectativa é que, frente a um clima mais agradável (final de tarde) e a um adversário que não deve impor um ritmo tão intenso, os jogadores consigam mostrar um futebol melhor. Os titulares devem atuar por, no mínimo, 60 minutos contra o Peixe.

Donos de diversas boas atuações, os reservas também receberão suas chances no clássico e podem entrar gradativamente na equipe. Posições como a de segundo volante e as duas pontas são vistas como as mais abertas a mudanças. Na frente, Boselli é visto como a solução.