& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Gustavo, Love e Boselli: três atacantes com características diferentes

 
       
 

Love e Boselli enxergam os gols de modo diferente no Corinthians: um está ansioso, outro só quer aproveitar

 
  Por:

Voz da Fiel

06/04/2019 06:06:29  
       
 
 
 
       
   Gustavo, Love e Boselli: três atacantes com características diferentes   
  Foto: UOL  
       
  A função primária do centroavante é fazer gols e, como qualquer profissional, cada um deles se relaciona de forma diferente com o próprio trabalho. No Corinthians, por exemplo, os três principais nomes do ataque pensam de maneira bem distinta sobre a busca por mais gols nesta temporada. Enquanto Gustagol se diz tranquilo, Boselli mostra certa ansiedade, e Love quer mais é ajudar.

Os três falam abertamente sobre o sentimento despertado na busca pelos gols. Mais experiente e com o currículo mais vasto, Vagner Love se mostra satisfeito com a simples oportunidade de jogar. "Já tenho na minha cabeça que não preciso provar nada para ninguém, só para mim mesmo. Sabendo que posso ajudar, as coisas acontecem naturalmente", disse Love recentemente, em entrevista coletiva.
 
      
 

 
  O camisa 9 admite que em 2015 "queria fazer gol o tempo todo", mas agora mudou o pensamento. "Quero ajudar, seja de qual forma for: marcando, correndo, tirando uma bola. Claro que quero fazer gols, é algo que fiz a vida inteira, mas ansiedade não tenho mais."

Vagner Love tem sido uma espécie de 12º jogador do Corinthians montado por Fábio Carille, inclusive tendo que se adaptar a uma nova função nos lados do campo. Isso porque o comando de ataque tem dono: Gustagol. Artilheiro da equipe em 2019 com oito gols, ele entra em campo tranquilo por causa da boa fase.
 
 

 
  "Procuro trabalhar muito durante a semana para estar preparado quando a oportunidade aparecer [nos jogos]. As coisas têm dado certo, e estou entrando dentro de campo bem tranquilo porque meus companheiros vêm me deixando tranquilo, a comissão [técnica] também", explica Gustagol, maior destaque da temporada corinthiana até aqui.

Já Mauro Boselli vive fase oposta. O argentino chegou com enorme prestígio mas ainda não conseguiu deslanchar, tendo apenas um gol marcado em 700 minutos jogados com a camisa alvinegra. "O tema da ansiedade é muito relativo e pessoal. Se a equipe joga bem e vence, não importa quem faz o gol. [Esta ânsia] É algo pessoal meu, pois o centroavante vive de gol; mas isso não é importante quando a equipe ganha", pondera o centroavante, que entende não estar fazendo gols por ainda não estar adaptado.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Arthur Sandes (UOL)