});
& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Diretor do Grêmio queria a confirmação do penâlti inexistente anulado pelo VAR

 
       
 

O choro parace não ter limites quando pedem a marcação de um penâlti inexistente

 
  Por:

Voz da Fiel

12/05/2019 07:20:46  
       
 
 
 
       
   Diretor do Grêmio queria a confirmação do penâlti inexistente anulado pelo VAR   
  Foto: Reprodução/Internet/Voz da Fiel  
       
  Alberto Guerra, diretor de futebol do Grêmio, manteve a reclamação geral do clube gaúcho em relação ao pênalti assinalado e depois anulado em lance onde a bola tocou no braço esquerdo de Fagner. Hoje (11), depois do empate sem gols com o Corinthians, o dirigente contestou a atuação do árbitro Marcelo de Lima Henrique com uma pergunta retórica.

"A minha pergunta é: se fosse para o Corinthians, o que ele daria?", disse Guerra para tentar "embassar" a sua reclamação sem nenhum sentido.
 
      
 
 
 
  O lance ocorreu aos 45 minutos do primeiro tempo. Montoya acionou Everton na esquerda, o camisa 11 do Grêmio invadiu a área e cruzou para trás. A bola bateu no braço esquerdo de Fagner e imediatamente o pênalti foi marcado. Segundos depois, Marcelo de Lima Henrique foi chamado pelo VAR e revisou o lance. No retorno ao gramado, o árbitro anulou a marcação.

"A gente aceita a interpretação dele, é interpretativo. Agora, a interpretação é se o braço está perto ou não. Cinco centímetros para lá ou para cá. Na minha opinião, foi pênalti. E fico pensando se ele olharia o VAR caso fosse no sentido contrário", reforçou o dirigente gremista.
 
 
 
 
  No intervalo do jogo, Everton afirmou que Fagner foi imprudente ao deixar o braço exposto para possível contato. O lateral direito do Corinthians retrucou afirmando que o atacante do Grêmio chutou a bola no braço de propósito, em busca do pênalti.

Grêmio e Corinthians empataram sem gols na Arena Corinthians, em Itaquera. Com o resultado, o time gaúcho continua sem vencer no Brasileirão e não seria esse o real motivo desse "chororô" sem nenhum sentido? Com toda a certeza sim!