& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Corinthians recua sobre acordo com BMG, admite 12 milhões anuais

 
       
 

uma ata de reunião do banco BMG, divulgada nesta sexta-feira (25), deixou o Corinthians com as costas na parede quando ao valor recebido pelo patrocínio máster

 
  Por:

Voz da Fiel

25/01/2019 15:59:44  
       
 
 
 
       
   Corinthians recua sobre acordo com BMG, admite 12 milhões anuais   
  Foto: Reprodução/Internet/Voz da Fiel  
       
  Após o documento falar em R$ 12 milhões fixos anuais, o clube foi obrigado a se explicar sobre o negócio.

Em nota oficial, o Corinthians diz ter preferido manter os detalhes dos valores em sigilo "por normas gerenciais" do BMG. "O clube sempre se limitou a declarar, quando perguntado sobre valores contratuais, o montante do adiantamento inicial, no valor de R$ 30 milhões, além da participação nos lucros", diz o comunicado.

Segundo uma fonte do clube confirmou, estes R$ 30 milhões valem apenas para 2019; a partir de 2020, o valor fixo cai justamente para R$ 12 milhões - que será somado à participação nos lucros. Na nota oficial o Corinthians argumenta que "as projeções conservadoras" desta participação nos lucros partem de R$ 30 milhões. Na prática, o valor do patrocínio a partir da temporada que vem não passa de um palpite.
 
      
 

 
  O comunicado divulgado pelo Corinthians exalta o viés "inovador" da parceria, que prevê participação dos lucros de uma plataforma online a ser lançada pelo banco. O patrocínio prevê um valor fixo - uma espécie de "piso" de pagamento - somado a estes adicionais, que serão contabilizados na venda de produtos e serviços exclusivos para os corinthianos (poupança, investimentos, empréstimos, entre outros).

"A solução encontrada foi a ideal: conseguimos a participação em metade dos lucros gerados pela nossa base de torcedores nos próximos cinco anos e recebemos à vista o valor que necessitávamos para completar o ciclo de contratações de jogadores", defende-se o clube.

A polêmica teve início na madrugada desta sexta-feira, quando foi descoberta a ata de uma reunião do Conselho Administrativo do BMG no site do próprio banco. O documento data do último dia 15 e delibera que, na contratação do patrocínio à camisa do Corinthians, "deverão ser observadas as seguintes condições comerciais: taxa mínima de patrocínio no valor de R$ 12 milhões por ano", além da "taxa variável de patrocínio equivalente a 50% do resultado financeiro líquido auferido pelo Banco BMG com a contratação de referidos produtos". A ata saiu do ar após a repercussão do caso.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Arthur Sandes (UOL)