& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Conheça a história do último tricampeonato do Corinthians

 
       
 

há 80 anos, Corinthians superou período de profissionalização e goleada de 8 a 0 para maior rival

 
  Por:

Voz da Fiel

21/04/2019 07:35:03  
       
 
 
 
       
   Conheça a história do último tricampeonato do Corinthians   
  Foto: Corinthians  
       
  O troféu está lá na primeira grande sala do Memorial do Corinthians, na sede do clube, no Parque São Jorge. Imponente, é o terceiro – e maior – da galeria que abre a história de quase 109 anos do Corinthians: o tricampeonato conquistado em 1939, fechando a década em que se consolidou como um grande clube de São Paulo, depois de um período de incertezas. O time também foi tricampeão em 1922/23/24 e 1928/29/30.

– O início da década de 30 foi muito difícil para o Corinthians porque muitos jogadores foram para a Itália, teve toda dificuldade da transição do futebol para o início do profissionalismo e muitos clubes não conseguiram fazer essa adaptação. Muitos clubes fecharam as portas, mas o Corinthians venceu as barreiras. E o que marcou essa vitória foi o tricampeonato paulista de 1937/38/39 – afirma Fernando Wanner, historiador, artista plástico e curador do Memorial.
 
      
 

Conheça a história do último tricampeonato do Corinthians

 
  O Corinthians confirmou o terceiro tri com uma campanha quase perfeita: 17 vitórias, dois empates e apenas uma derrota, com 63 gols marcados e 16 sofridos – campeonato disputado por pontos corridos, sem finais.

Teleco (Uriel Fernandes), autor de 256 gols em 249 jogos pelo Corinthians entre o fim de 1934 e 1944, foi o grande personagem do terceiro e último tri do Timão, conquistado há 80 anos. Ele jogava no Britânia, de Curitiba, um dos times que deram origem ao Paraná Clube e foi descoberto pelo Timão quando defendia a seleção paranaense. Ele foi artilheiro do Campeonato Paulista cinco vezes, em 1935/36/37/39/41. Com 1,03 gol por jogo, Teleco tem média de gols pelo Corinthians superior até à da carreira de Pelé, que marcou 1.091 gols em 1.375 partidas.

Não à toa, também tem sua imagem em um dos totens do Memorial, ao lado de grandes ídolos da história, como Rivellino, Sócrates, Casagrande, Marcelinho e outros.
 
 

 
  – O clube não se deu bem com a fase de profissionalização do futebol na década de 30. Há um marco, que foi a derrota humilhante para o maior rival, 8 a 0 para o Palestra (em 5 de novembro de 1933), e esse resultado marcou um período de reconstrução do clube. Teleco chegou ao Corinthians no fim de 1934 e se tornou um dos grandes centroavantes da história do Corinthians até por ter sido o grande j. Ele tinha uma característica de fazer gols de virada e era um grande fazedor de gols de cabeça – diz Plínio Labriola, doutor em História e especialista no período de profissionalização do futebol brasileiro de 1930 a 1940.

Depois de se aposentar, Teleco trabalhou por 24 anos na sala de troféus do Corinthians, no Parque São Jorge, entre 1967 e 1991. Ele morreu aos 87 anos, em 2000.

– Ser tricampeão em São Paulo não é mole. Para se ter uma ideia, o recorde de títulos seguidos no estado é o tetracampeonato do Paulistano, e está fazendo cem anos neste ano. Nem o Santos do Pelé foi tetra, conseguiu dois tris. O Santos recentemente (2010/11/12) conseguiu mais um tri e igualou o feito de ser "tri tri" que era exclusivo do Corinthians desde 1939. O Palestra Itália tem um tri, em 1932/33/34, e o São Paulo não tem tri paulista em sua história, tem três Brasileiros seguidos, mas não tem Paulistas – afirma Celso Unzelte, pesquisador oficial do Corinthians e comentarista da ESPN Brasil.
 
 

Conheça a história do último tricampeonato do Corinthians

 
  Herói e capitão pelo Tetra Tri

O hiato de 80 anos entre o tri de 1939 e o que pode ser confirmado no próximo domingo, na Arena Corinthians, surpreende o goleiro Cássio. Possível capitão do time, responsável por levantar a taça para a foto histórica.

– Não lembro quando foi o último tri do Corinthians, não sei... Faz 80 anos? Nossa! Acho que é legal a gente poder entrar na história, vai ser uma final bem difícil, o São Paulo cresceu no mata-mata, tem treinador novo, já tinha o Mancini que é um grande profissional, então será uma grande decisão – diz o goleiro.

– Clássico é sempre uma incógnita. Nós já ganhamos muitos clássicos que os outros eram os favoritos, já perdemos outros que éramos favoritos, então isso não é levado em consideração, ainda mais em uma final.
 
 

 
  Para ser tricampeão paulista pela quarta vez na sua história, o Corinthians precisa de uma vitória sobre o São Paulo por qualquer placar, na Arena Corinthians. Um novo empate leva a decisão para os pênaltis.

CAMPANHAS DO TRI

• 1939: 17 vitórias; 2 empates; 1 derrota; 63 GP; 16 GS
• 1938: 10 vitórias; 4 empates; 0 derrota; 19 GP; 10 GS
• 1937: 10 vitórias; 2 empates; 2 derrotas; 33 GP; 12 GS
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Mauricio Oliveira (Globo Esporte)