& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Carille resgatou Clayson e fez dele uma arma do novo Corinthians

 
       
 

o atacante voltou a ser decisivo após superar dramas pessoais e técnicos

 
  Por:

Voz da Fiel

03/04/2019 08:09:40  
       
 
 
 
       
   Carille resgatou Clayson e fez dele uma arma do novo Corinthians   
  Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians  
       
  Clayson foi um dos maiores destaques do Corinthians na vitória por 2 a 1 sobre o Santos, na partida de ida válida pelas semifinais do Campeonato Paulista de 2019. Atuando na extremidade esquerda do 4-1-4-1 montado por Fábio Carille, o camisa 25 mostrou uma recuperação inquestionável após dramas pessoais e críticas recebidas por parte dos torcedores por causa de suas exibições em 2018.

No último domingo (31), além da plasticidade na sua ‘caneta’ sobre Felipe Jonathan, foi o atleta mais agudo dentro de campo: arriscou mais finalizações do que qualquer um (três no total, duas na direção certa) e garantiu a vitória corinthiana, de virada, ao acertar o chute cruzado no gol de Vanderlei ainda no primeiro tempo. Um lance bem parecido às suas duas assistências contra a Ferroviária, nesta sequência de três partidas que mostraram uma retomada de sua carreira justamente no retorno de Fábio Carille ao comando do Corinthians.
 
      
 

 
  Jogador importante nas conquistas do Brasileirão em 2017 e Paulista do ano seguinte, troféus levantados antes de Carille deixar o Timão para uma curta passagem pela Arábia Saudita, Clayson viu seu desempenho cair vertiginosamente em 2018 – assim como aconteceu com a equipe como um todo. Uma queda que mostrou ecos de dramas pessoais vividos: uma lesão no menisco seguida pelo susto que envolveu o nascimento prematuro de sua filha e o falecimento da sogra.

Esportivamente, foram dois pontos negativos: a punição de dois jogos no Brasileirão por ter atirado água em torcedores da Chapecoense, na derrota por 2 a 1 válida pela 18ª rodada, e o jejum de gols que durou cerca de 11 meses. O prestígio caíra tanto, que por muito pouco Clayson não deixou a Arena Corinthians pare reforçar o Atlético-MG em negócio que envolvia a chegada de Luan à equipe paulista. Um dos responsáveis em sua permanência foi exatamente Fábio Carille, que segue demonstrando uma vocação para recuperar atletas que estavam em baixa.
 
 

 
  “Só pedi para a diretoria para que ele não saísse naquele momento. Quando a gente fala que a gente quer recuperar um jogador, estou falando de todos, isso passa pelo interesse do atleta também, de querer mudar. Ele já conhecia o sistema, o que um jogador de lado tem que fazer ele já sabia. Chegou aqui em 2017, foi campeão brasileiro com a gente, campeão paulista ainda com a minha passagem aqui. Ele está num momento legal, com confiança, partindo para o um contra um. Fazendo tudo o que a gente espera do Clayson nos jogos, está sendo fundamental, está sendo decisivo”, afirmou o treinador após a vitória sobre o Santos.

Em 2019, com Romero sem oportunidades em meio ao imbróglio envolvendo sua situação contratual, o extremo voltou a ganhar oportunidades. Entre os pontos positivos, as suas características encaixam perfeitamente com o estilo de futebol do Corinthians treinado por Carille: Clayson não apenas tem a velocidade e o drible para ser decisivo especialmente em contra-ataques, mas também sabe pressionar a saída de bola adversária e ocupar bem os espaços pelo lado na fase defensiva.
 
 

 
  Um dos pontos que precisam de melhora era a finalização. Pois apesar de ser um dos corinthianos que mais arrematam (17, menos apenas do que Gustagol), é também um dos que mais erram essas tentativas (11, menos apenas do que Pedrinho). O seu gol contra o Santos demonstra a confiança de arriscar uma jogada decisiva.

Nos dois embates com a Ferroviária, pelas quartas de final do Paulista, Clayson foi o autor das assistências que garantiram os empates por 1 a 1 antes da definição da vaga nos pênaltis. Lances muito parecidos, com o extremo entrando em velocidade pelo flanco esquerdo da área antes de optar pelo passe seco e rasteiro. Contra o Santos de Jorge Sampaoli, enfrentou a marcação do bom Victor Ferraz e surpreendeu o lateral com a sua escolha: ao invés de repetir o que deu certo nas semanas anteriores, cortou para o meio e bateu cruzado. Um gol que marca mais uma recuperação individual de uma das equipes mais competitivas do Brasil quando esteve sob o comando de Fábio Carille.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Tauan Ambrósio (Goal)