x
x
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Amistoso internacional de 1929 deu a origem ao Mosqueteiro, mascote do Corinthians

 
       
 

O clássico "Os Três Mosqueteiros" serviu de inspiração para a origem do mascote corinthiano

 
  Por:

Voz da Fiel

21/04/2020 12:17:22  
       
 
 
 
       
   Amistoso internacional de 1929 deu a origem ao Mosqueteiro, mascote do Corinthians   
  Foto: Reprodução/Internet/Voz da Fiel  
       
 

Segundo o jornalista e historiador, Celso Unzelte, existe mais de uma versão sobre a origem do Mosqueteiro como mascote do Corinthians. A mais antiga delas remonta a 1913.

Naquele ano, o Corinthians começou a disputar o campeonato da Liga Paulista de Futebol (LPF), ao lado de Germânia (atual Esporte Clube Pinheiros), Internacional e Americano. Teria, portanto, se tornado o “quarto mosqueteiro”, como o personagem D’Artagnan, que, no romance Os Três Mosqueteiros, do escritor francês Alexandre Dumas, juntou-se a Athos, Porthos e Aramis. Essa versão, no entanto, carece de registros da própria época, pois só aparece reproduzida em textos das décadas seguintes. Além disso, o Campeonato Paulista da LPF de 1913 foi disputado por cinco times, e não por quatro, pois havia também o Ypiranga.

A mais aceita é a versão de que o apelido “mosqueteiro” teria surgido após a primeira vitória internacional da história do Corinthians: 3 a 1 no Barracas, da Argentina, em um amistoso disputado no Parque São Jorge na tarde de uma quarta-feira, feriado de 1º de maio de 1929.

 
      
 

Amistoso internacional de 1929 deu a origem ao Mosqueteiro, mascote do Corinthians

 
 

A denominação apareceu no dia seguinte àquele jogo, em uma crônica para o jornal "A Gazeta" escrita pelo jornalista Thomaz Mazzoni, famoso também por ter criado as mascotes de outros clubes, como o Periquito do Palmeiras e o Santo do São Paulo, além de nomear os clássicos Corinthians x Palmeiras como Derby, Corinthians x São Paulo como Majestoso e Palmeiras x São Paulo como Choque-Rei.

Naquele texto, Mazzoni saudou a “fibra de mosqueteiro” do time bicampeão paulista de 1928/29 (que depois chegaria ao tricampeonato em 1930), formado por Tuffy, Grané e Del Debbio; Nerino, Guimarães e Munhoz; Filó, Apparício, Gambinha, Rato e De Maria. O “trio final” (goleiro e três zagueiros), Tuffy, Grané e Del Debbio, também era chamado de “Os Três Mosqueteiros”. Eles compunham, ainda, a defesa titular da Seleção Paulista, que na época disputava o Campeonato Brasileiro de Seleções.

 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Voz da Fiel