x
x
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Para Biro-Biro, Sócrates foi melhor e maior do que Zico

 
       
 

Biro-Biro considera que Sócrates foi melhor que Zico: "diferenciado demais"

 
  Por:

Voz da Fiel

03/11/2020 17:53:47  
       
 
 
 
       
   Para Biro-Biro, Sócrates foi melhor e maior do que Zico   
  Foto: Placar  
       
 

Dono de quatro títulos paulistas com a camisa do Corinthians, Biro-Biro atuou por uma década no clube como volante em um meio de campo que tinha Sócrates, um dos maiores nomes da história do clube, e que ele considera que jogou mais futebol que Zico, contemporâneo na seleção brasileira e maior ídolo do Flamengo.

Em entrevista ao programa Os Canalhas, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana, Biro-Biro explica sua preferência por Sócrates na comparação com Zico, aprova Casagrande como comentarista, além de falar sobre a importância da Democracia Corinthiana para o país.

"Joguei junto, sei como que é, o cara era diferenciado demais mesmo, então muita gente fala você acha o Sócrates melhor que o Zico?. Eu alei na minha opinião, sim", afirma Biro-Biro.

 
      
 

 
 

"Acho que o Zico tinha uma característica diferente do Sócrates, como o João falou, meio-campista ali o Sócrates realmente ele era maravilhoso. O Zico também, na posição do Zico, o Zico é aquele meia que entra dentro da área, que foi aquele meia, claro, agora se você chegar e falar põe os dois ali, quem é melhor, Sócrates ou Zico?, eu, na minha opinião, claro que eu ficaria com o Sócrates. Mas o Zico jogou muito", completa.

A importância da Democracia Corinthiana

Biro-Biro foi um participante ativo da Democracia Corinthiana e anos depois foi até eleito vereador em São Paulo com o apoio da torcida do Corinthians. Ele destaca a importância que o movimento teve na política brasileira e como mesmo os jogadores que não concordavam, como o goleiro Emerson Leão, respeitavam as decisões dos jogadores.

 
 

 
 

"A Democracia foi um ato que aconteceu que foi numa época em que o país estava atravessando aquele momento. O povo brasileiro queria mudança, Diretas Já, aquelas coisas, aí surgiu a Democracia, aquelas coisas todas e aí aderiu, o Corinthians acabou aderindo junto com o pessoal que era o Sócrates, o Adilson Monteiro Alves, aí veio o Wladimir, Casagrande, aí começaram a se envolver mais nessa parte política. Aí acabaram aderindo à Democracia Corinthiana e aí pegou. Aí foi um momento importante do país", diz Biro-Biro.

"Eu participava, claro, a gente se envolvia, todo o grupo se envolvia. O Leão era contra, mas tinha momentos que ele acabava também participando, respeitava, claro, isso aí ele respeitava porque se não respeitasse, o momento que aconteceu dentro do Corinthians na época da Democracia, o grupo realmente estava sempre junto, mas claro que cada um tinha a sua opinião, agora, aquele que não aceitasse aquilo que estava acontecendo, pô, ia ficar realmente fora, não ia ficar junto com o grupo, porque ia atrapalhar. E o Leão realmente acabou ficando, teve alguns probleminhas no começo e tal, mas depois acertou, e aderiu, aderiu à Democracia", completa.

 
 

 
 

Carreira como treinador em times pequenos não decolou

Além da carreira como jogador e o período como vereador, Biro-Biro também teve momentos como treinador mas se arrependeu de aceitar ao considerar que não teve a estrutura necessária para fazer um bom trabalho comandando times pequenos do interior de São Paulo.

"Logo quando eu acabei de parar de jogar eu comecei, eu fui mais para coordenar e aí acabei treinando, comecei a treinar e fui para um lado e fui para o outro aí, mas era meio complicado, os times não tinham estrutura para você montar, fazer, eu peguei time de interior que realmente era muito difícil a situação, mas você naquela empolgação acaba indo para alguns lugares e que depois você entra na realidade e fala porra, eu não podia ter feito isso, mas acabou acontecendo", afirma o ex-jogador.

 
 

 
 

"Isso acontece, mas a maioria dos times não tinha estrutura nenhuma, então fica difícil você fazer um trabalho. Talvez, se eu começasse num time médio, que tivesse uma estrutura boa, talvez a gente seguisse a carreira de fazer uma boa carreira e mostrar um bom trabalho aí talvez, em algum clube que tivesse um pouco melhor de estrutura, porque realmente era difícil, tanto é que eu falei desisto, aí começaram a me ligar aqui vem para cá, vem para cá, e eu falei não estou fora, aí acabei parando", conclui.

 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: UOL