x
x
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Jô acredita que internet ajuda a combater racismo e diz que não sairia de campo por atos racistas no estádio

 
       
 

Em entrevista o artilheiro do Timão também respondeu se deixaria o campo de jogo, caso sofresse nova ação racista

 
  Por:

Voz da Fiel

29/12/2020 06:54:35  
       
 
 
 
       
   Jô acredita que internet ajuda a combater racismo e diz que não sairia de campo por atos racistas no estádio   
  Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians  
       
 

Jô foi jogar na Rússia logo depois de ser campeão Brasileiro pelo Corinthians, em 2005. No país europeu, o centroavante, que à época tinha 18 anos de idade, sofreu com o racismo.

Hoje, de volta ao Timão e com 33 anos, o jogador entende que a internet pode ser uma ferramenta aliada ao combate de quem age com preconceito.

 
      
 

 
 

"É uma situação chata e difícil. Eu passei por um momento desse no CSKA Moscou, mas, na época, a internet, o mundo social que há hoje em dia... Antigamente não tinha tanto. Muita gente sofreu na época, mas não tinha como colocar isso a tona, devido as dificuldades de tecnologia. Hoje em dia é mais direto, a gente acaba sofrendo um pouco mais, mas acho que o mais importante é isso que está acontecendo, as pessoas se posicionarem, se colocarem, não só no racismo, mas sobre qualquer preconceito. As pessoas têm de se posicionar para a gente tentar diminuir isso. A internet ajuda bastante a mobilizar todo mundo".

"Hoje, talvez eu não sairia da partida. É a minha profissão, o Corinthians precisa do jogador. Eu não sairia. Mas, depois da partida, eu ia me posicionar e dar um jeito da pessoa que cometeu pagar pelo que fez. Como eu vejo com alguns por aí, está certíssimo, porque isso é muito chato, muito ruim".

 
 

 
 

No último 20 de novembro, data que marca o dia da "Consciência Negra", Jô foi um dos poucos jogadores que se posicionou nas redes sociais.

"20 de novembro dia da consciência negra. Orgulho máximo. Obrigado meu Deus. Mas, quero deixar uma frase para todos. Podemos ser negros ou brancos, todos merecem respeito e oportunidades. Todo mundo tem sua beleza e importância nesse mundo. Somos todos iguais por dentro e filhos de Deus. Deus abençoe a todos", escreveu o atleta corinthiano na ocasião.

 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Gazeta Press