x
x
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Fagner relata choro de familiares, não se vê em má fase e defende Cássio de cobranças

 
       
 

Tanta experiência e credibilidade não livraram o jogador da pressão dos torcedores em meio a má fase da equipe na temporada

 
  Por:

Voz da Fiel

16/10/2020 17:16:52  
       
 
 
 
       
   Fagner relata choro de familiares, não se vê em má fase e defende Cássio de cobranças   
  Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians  
       
 

Fagner foi capitão do Corinthians na última quarta-feira, na vitória em cima do Athletico. A noite representou também a atuação número 367 do lateral com a camisa do clube.

Tanta experiência e credibilidade não livraram o jogador da pressão dos torcedores em meio a má fase da equipe na temporada. Fagner chegou a ter o filho ameaçado nas redes sociais.

“Após o jogo com o Athletico, minha esposa disse que ela e meu filho choraram. Para você ver o peso que carregamos sem saber, isso é para você ver quanto é difícil para nós”, relatou o atleta, em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira.

 
      
 

 
 

Quando questionado sobre a queda de desempenho individual, tanto ofensivo quanto defensivo, após a pausa pela quarentena do coronavírus, Fagner se defendeu.

“Não considero má fase, até porque é óbvio que quando começa a criar situações, a levar trabalho para ao adversário ofensivamente, ele começa te marcar melhor, são situações de jogo. Às vezes eu estava recompondo uma linha de três, a chance de criar uma chance de gol é mais difícil assim. Vai muito de jogo para jogo, de como a equipe está jogando, o sistema que vai jogar. Nesse jogo de quarta eu tive duas chances de gol, são situações de jogo, da leitura, de como a gente está jogando”.

 
 

 
 

Fagner também fez questão de se posicionar sobre as críticas em cima de Cássio, outro atletas com história marcante dentro do clube.

“Eu vou fazer uma pergunta: quantas bolas ia pro jogo para uma defesa do Cássio há um tempo atrás? Uma, duas? Hoje em dia estava indo seis, sete bolas. Uma hora o cara vai acertar. Estamos enfrentando atletas de qualidade para finalizar. Sabemos da qualidade do Walter, do Cássio, mas temos de respeitar a história. Pra mim, Cássio é um dos maiores ídolos da história do clube. Se tem que jogar, é o treinador que decide, mas tem de respeitar um pouco mais, as críticas nele estão sendo pesadas. Ele é um cara que sempre se dedicou ao clube, tem de ter mais respeito ao que ele é, as pessoas esqueceram o que ele fez, o que ele representa para o clube. Ele vive o clube intensamente, a gente tem de respeitar. Tem de existir isso ai”.

 
 

 
 

Vea, na íntegra, a entrevista coletiva de Fagner

 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Gazeta Press