VOZ DA FIEL

    Aqui é o lugar onde a Fíel Torcída é ouvída de verdade

       
  Voz do Passado Alfredo Schürig Fazendinha  
       
  No mês de aniversário do Sport Club Corinthians Paulista vamos trazer mais uma matéria especial contando mais uma história da trajetória do nosso clube, falaremos sobre Alfredo Schürig e a Fazendinha  
  Por: Voz da Fiel 07/09/2018 08:09:52  
       
 
 
 
    
     
  Foto: Voz da Fiel  
       
  Alfredo Henrique Oscar Schürig, conhecido apenas como Alfredo Schürig, residia em Jacareí - São Paulo onde era considerado uma personalidade, tanto que em 1923 a antiga rua do Rosário foi batizada com seu nome, sendo uma homenagem em vida ao benfeitor que construiu o estádio do Esperança Futebol Clube, time amador da cidade.

Alfredo Schürig também foi presidente e benfeitor do Sport Club Corinthians Paulista, sendo eleito presidente do mesmo no ano de 1930. Contribuiu financeiramente com o clube fazendo varias doações que viabilizaram o pagamento do terreno do Parque São Jorge junto aos antigos proprietários. Suas doações foram imprescindíveis, ainda, para a viabilização da conclusão do Estádio apelidado de Fazendinha, que oficialmente recebeu o nome de seu maior benemérito - Estádio Alfredo Schürig.

Mesmo não sendo um amante do futebol, Schürig promoveu numerosas melhorias no estádio, pois era apaixonado pelo Corinthians. Entretanto, sua gestão como presidente do clube terminou de forma melancólica após uma derrota para o Palestra Itália por 8 a 0 pelo Campeonato Paulista de 1933, fato que o levou a renunciar ao cargo junto com toda a diretoria, pois ficou descontente com o comportamento de boa parte da torcida corinthiana que, revoltada, chegou a invadir a sede do clube, então localizada no centro da cidade de São Paulo.

Um pouco sobre a história dos primeiros estádios:

O Corinthians passou os primeiros anos de sua história jogando no campo de terra da Rua José Paulino - O lenheiro (nome este dado porque o seu dono era lenhador, que em troca entrou no time). Posteriormente o clube mandou jogos no Estádio da Ponte Grande.

O Estádio da Ponte Grande foi construído em uma área adquirida pelo Corinthians em 1916. A prefeitura de São Paulo cedeu o espaço por intermédio do político Alcântara Machado, pai do escritor homônimo. Machado atuou a favor do Corinthians para que o terreno (sem uso) fosse transformado em uma praça de esportes assim como já havia sido feito para outros clubes poliesportivos. O fato de o Alvinegro ter adquirido o terreno foi um marco para o desenvolvimento do clube, e contribuiu para que o Corinthians se elevasse ao mesmo nível dos rivais da época: Paulistano e Germânia.

Na época, a prefeitura municipal acordou com o presidente do clube, João Baptista Maurício, o valor de 110 mil réis por uma área total de 13.506 metros quadrados, entre os clubes Clube de Regatas Tietê, e Associação Atlética das Palmeiras. O acordo foi formalizado em contrato em 17 de julho de 1916 pelo então prefeito Washington Luís. Na época, a área não era tão povoada como hoje e por estar numa região arborizada e próxima ao rio Tietê era vista como ideal para a prática de esportes.
 
      
 
 
 
  O Corinthians mobilizou dirigentes, jogadores e sócios na construção do estádio em sistema de mutirão. O local ficou pronto em janeiro 1918 e para a inauguração foi convidado o rival Palestra Italia. O jogo foi realizado em 17 de março daquele ano e contou com a presença da imprensa paulista, que fez diversos elogios a praça de esportes corinthiana, destacando as acomodações e o gramado. Alcântara Machado deu o pontapé inicial e a Associação dos Cronistas Esportivos de São Paulo (Aceesp) ofereceu uma taça para ser disputada e o jogo terminou empatado, em 3x3.

Em 1926, o então presidente do Corinthians Ernesto Cassano compra o terreno do Parque São Jorge para o clube. O terreno pertencia ao Esporte Clube Sírio, e foi comprado por Ernesto Cassano por 750 contos de réis, pagos em dez anos. A partir dai o clube iniciou o processo de mudança da Ponte Grande na zona norte de São Paulo, para o bairro do Tatuapé, na zona Leste da cidade.

No Estádio da Ponte Grande o Corinthians conquistou os títulos estaduais de 1922, 1923 e 1924, além de ter sido palco de algumas taças conquistadas em amistosos. Outro fato marcante foi o jogo entre a Seleção Brasileira x Corinthians. A partida amistosa aconteceu em 1925, e terminou empatada em 1-1. Apesar da importância histórica do local para o Alvinegro Paulista, há poucos registros fotográficos do que foi o primeiro Estádio do Corinthians.

Estatísticas de jogos do Corinthians no estádio da Ponte Grande:

- 102 jogos.
- 80 vitórias.
- 11 empates.
- 11 derrotas.
- 386 gols marcados.
- 115 gols sofridos.
- 82,00% de aproveitamento.

Alfredo Schürig, de origem alemã, foi um dos pioneiros a se estabelecer no ramo metalúrgico no Brasil, possuía uma loja de parafusos na Rua Florêncio de Abreu e com a quantia de 33.000 contos de réis (seria o custo inicial), o presidente Alfredo Schürig promoveu numerosas melhorias no campo, construiu arquibancadas e batizou com seu próprio nome a nova casa do Corinthians.

O estádio ainda sem ter iluminação, foi inaugurado em 22 de julho de 1928, num jogo amistoso contra o America-RJ. A partida terminou empatada em 2 a 2 e foi vista por duas mil pessoas, capacidade máxima do estádio na época. Os dois gols corinthianos foram marcados por De Maria, sendo o primeiro deles aos 29 segundos do primeiro tempo. O sistema de iluminação do estádio foi inaugurado a 25 de fevereiro de 1961, numa noite de gala do Corinthians, que derrotou o Flamengo do Rio de Janeiro por 7 a 2. Foi um dos locais de disputa do torneio de futebol dos Jogos Pan-Americanos de 1963. No último jogo, em 3 de agosto de 2002, a equipe venceu o Brasiliense por 1 a 0.

Uma curiosidade, o último confronto contra o arquirrival Palmeiras no estádio ocorreu no dia 18 de agosto de 1940, onde o Corinthians venceu pelo placar de 2 a 0. Desde então, por um longo período o clássico foi disputado em campos neutros, como Estádio do Morumbi e Estádio do Pacaembu, até o ano de 2014, quando voltou a ser disputado nos respectivos estádios próprios dos clubes, a Arena Corinthians e o Allianz Parque.

O recorde de público é de 32.419 pessoas, numa partida entre o Corinthians e a Ferroviária de Araraquara em 1959. No jogo inaugural, o Corinthians enfrentou o América-RJ em um amistoso. Em 29 segundos, saiu o primeiro gol do Timão na Fazendinha – o mais rápido da história do estádio. De Maria fez 1 a 0 para os donos da casa. A equipe carioca virou o placar ainda no primeiro tempo. Na etapa final, aos 15 minutos, Mineiro fez o gol do empate final por 2 a 2 que marcou a inauguração da Fazendinha como casa corinthiana.

Hoje o estádio é utilizado como campo de jogo para as categorias inferiores (base), devido a suas limitações (capacidade aproximada de 18.500 lugares). Desde sua construção, recebeu 484 partidas do Corinthians, sendo 356 vitórias do clube mandante, 65 empates e 63 vitórias dos visitantes. Na Fazendinha, o Timão marcou 1.345 gols e sofreu 491. O clube visitante que mais jogou no estádio, foi a Portuguesa com 22 jogos, tendo 14 vitórias do Timão, 01 empate e 07 derrotas.

Para finalizar, segue abaixo as estatísticas de jogos do Corinthians no Estádio Alfredo Schürig:

- 484 jogos.
- 356 vitórias.
- 65 empates.
- 63 derrotas.
- 1.345 gols marcados.
- 491 gols sofridos.
- 73,98% de aproveitamento.