& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Timão pode vender naming rights da Arena à empresa

 
       
 

o Corinthians segue sem conseguir comercializar o naming rights de sua arena

 
  Por:

Voz da Fiel

22/08/2018 07:12:28  
       
 
 
 
       
   Timão pode vender naming rights da Arena à empresa   
  Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press  
       
  Fato fundamental para pagar as dívidas relativas ao estádio. No entanto, segundo o diretor de marketing do clube, Luis Paulo Rosenberg, esse impasse pode estar perto de ser resolvido, uma vez que vem conversando com algumas empresas, a maior parte delas pouco populares aos brasileiros.

Ciente das dificuldades de convencer companhias de renome em investir cerca de R$ 400 milhões para expor sua marca na Arena Corinthians, Rosenberg garante que o possível futuro parceiro do Timão deverá ser mesmo uma empresa de origem árabe, chinesa ou coreana.

“ Negociar naming rights é um processo demorado, porque é uma associação de 20 anos, um compromisso que compromete dinheiro e imagem”, disse Rosenberg, convidado do programa Bola da Vez, da Espn Brasil.
 
      
 

 
  “Nas empresas estrangeiras, quem é o comprador de naming rights do Corinthians? Obviamente não é uma Volkswagen, uma General Motors, cujo nome está aqui no Brasil há 100 anos e todo mundo conhece. É muito mais uma grande empresa do mundo árabe, chinesa, coreana, que é forte no mundo e quer entrar no Brasil. Ela ganha uma fatia desde o início e depois se populariza”, completou o diretor de marketing do Corinthians.

Atualmente, o Corinthians tem de pagar parcelas de R$ 5,5 milhões para amortizar a dívida relativa à sua arena – o prazo para finalizar esse processo é 2028. Caso consiga comercializar os naming rights, o clube teria uma renda mensal de R$ 3,3 milhões, já que o valor total da negociação, que é de R$ 400 milhões, seria pago em dez anos.

“Se eu te mostrar a lista de quem abrimos negociação, há mais de 50 grupos. Se eu te mostrar a lista de quem está conversando conosco ainda, tem uns dez. Aí, vem aquela pergunta: ‘Mas, quanto tempo?’ Não tenho a menor ideia”, concluiu Rosenberg.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Gazeta Esportiva