& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Timão diz ter seis interessados em naming rights

 
       
 

diretoria diz que tem pelo menos seis empresas interessadas em batizar a Arena Corinthians

 
  Por:

Voz da Fiel

07/08/2018 13:14:08  
       
 
 
 
       
   Timão diz ter seis interessados em naming rights   
  Foto: Web/Voz da Fiel  
       
  No mínimo seis empresas têm interesse em batizar a Arena Corinthians. Ao menos é essa a versão da diretoria do clube, 2.374 dias depois da primeira promessa do hoje presidente Andrés Sanchez sobre a venda dos naming rights do estádio. A última atualização foi dada pelo atual diretor de marketing, Luis Paulo Rosenberg, em programa da TV oficial alvinegra.

“Em relação a naming rights, é uma construção, temos pelo menos seis interessados, em que a gente tenta construir um conjunto. É um compromisso que a empresa assume por 20 anos, o clube também. Esse entrosamento tem que ser muito bem feito. Estou muito animado. Tem algumas negociações internacionais, outras no Brasil. Espero avançar nisso o mais rápido.”

A declaração foi dada em atração batizada de “Papo Reto”, um programa que, segundo o clube, será semanal e sempre terá o presidente Andrés Sanchez, com um convidado, respondendo perguntas de torcedores. Na primeira edição, o vídeo foi gravado e teve 13 minutos de duração.

“Não há dia que o marketing não trabalhe nessa situação. Mas o negócio tem seu tempo próprio. Todo trabalho do marketing é voltado a isso. Aguardem uma grande alegria”, completou Rosenberg, ainda falando sobre a venda do nome do estádio, inaugurado para a Copa do Mundo de 2014.

A primeira promessa de Andrés Sanchez sobre o assunto foi feita em 6 de fevereiro de 2012. Na época, o hoje presidente corintiano, então diretor de seleções da CBF, disse: "Estamos negociando com sete empresas. Depois que o próximo presidente assumir, divulgamos em, no máximo, 30 ou 40 dias". A promessa era de que o acordo seria anunciado em março daquele ano, após eleição de Mário Gobbi.

Ainda sobre as finanças da Arena, Rosenberg garantiu que o Corinthians está honrando todos seus compromissos. “Não temos nenhum atraso. Antigamente pagávamos (parcelas de) R$ 2 milhões, passamos a pagar R$ 6 milhões e estamos honrando em dia. A Caixa está contente com nosso desempenho, apoiando medidas que facilitam a gestão da Arena. Participando com a gente na análise das receitas e vai ficar mais tranquilo quando conseguirmos os naming rights.”
 
      
 

 
  Já Andrés tratou sobre o assunto com foco nas renegociações lideradas pela direção tanto com a Caixa, quanto com a Odebrecht. “A renegociação com a Caixa está bem adiantada, talvez nas próximas semanas tenhamos novidades, e aí sim vamos entrar em negociação com a Odebrecht, sobre o que falta acabar e outras questões.”

Com a Caixa, o problema é que o formato do pagamento do financiamento do estádio foi feito com base apenas nas receitas geradas pela própria Arena, algo que, até o momento, o clube tem encontrado dificuldades. O prazo para o pagamento, até o fim de 2028, não está entre as discussões.

Já em relação à Odebecht, com quem o Corinthians tem a outra parte da dívida total com o estádio, a divergência está no valor devido. A construtora entende que a quantia está na casa de R$ 850 milhões, enquanto a direção alvinegra contesta, em virtude de obras não realizadas na comparação com o projeto inicial.

Omni – Andrés e Rosenberg falaram também sobre a Omni, empresa gestora do programa de sócio-torcedor do Corinthians e que também era responsável pelo estádio da Arena – foi substituída pela Indigo, que assumiu a operação com investimento de R$ 15 milhões.

“A Omni vem prestando vários serviços ao Corinthians. Teve um papel decisivo no sócio-torcedor. Chegou a um momento que queremos dar uma outra dimensão. Que se gerem benefício para todos torcedores. A Omni não é a empresa mais adequada para isso. O primeiro passo já demos, foi trocar a Omni, que vinha num sacrifício, tocando nosso estacionamento, trocamos por uma multinacional francesa, que pagou uma joia para entrar, foi importante nas negociações. Vai dar um dinamismo no estacionamento, o frequentador do estádio vai sentir isso rapidamente. Mas queremos coisas grandiosas, estamos negociando com grandes empresas”, disse Rosenberg.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: ESPN