& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Timão chega a acordo com Associação Paraguaia para ter Romero

 
       
 

jogador se apresentará à seleção após o primeiro jogo da decisão da Copa do Brasil e retornará dois dias antes do duelo com o Cruzeiro em Itaquera

 
  Por:

Voz da Fiel

02/10/2018 19:54:31  
       
 
 
 
       
   Timão chega a acordo com Associação Paraguaia para ter Romero   
  Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians  
       
  O Corinthians chegou a um acordo com a Associação Paraguaia de Futebol (APF) para contar com o atacante Romero nos dois jogos da final da Copa do Brasil contra o Cruzeiro - as partidas acontecem nos dias 10 e 17 e coincidem com o período de treinamento da seleção paraguaia.

Pelo acordo que ainda será oficializado o jogador viajará para Assunção no dia 11, no dia seguinte ao duelo de ida, no Mineirão, e retornará no dia 15. O restante do elenco paraguaio ficará reunido com o técnico Juan Carlos Osorio entre os dias 8 e 16.
 
      
 

 
  Romero chegou a declarar logo após a classificação sobre o Flamengo, na última quarta-feira, que gostaria de conciliar a convocação com os jogos decisivos. A diretoria do Corinthians compreendeu a situação, já que é a primeira convocação do Paraguai sob o comando de Osorio, e a Associação Paraguaia também abriu essa concessão, contando com o jogador por um menor espaço de tempo.

Nesta terça-feira, o técnico Jair Ventura encaminhou o Corinthians para a partida contra o Flamengo, sexta-feira, às 21h, em casa, pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro. Romero formará o quarteto de ataque com Jadson, Mateus Vital e Clayson, o mesmo que começou em campo na semifinal da Copa do Brasil.

Com Romero liberado, são duas dúvidas para o primeiro jogo da decisão contra o Cruzeiro. O lateral-direito Fagner se recupera de fibrose na coxa esquerda e a expectativa é que volte a tempo da partida. A outra dúvida é sobre o substituto do volante Douglas, suspenso. A tendência é que Gabriel entre na vaga.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: João Prata (Estadão)