& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Sheik diz que quer ser útil até seu último dia de contrato

 
       
 

atacante de 40 anos tem vínculo até o fim do ano, mas pode ser integrado à diretoria

 
  Por:

Voz da Fiel

12/10/2018 18:26:57  
       
 
 
 
       
   Sheik diz que quer ser útil até seu último dia de contrato   
  Foto: Marcelo Braga/Globo Esporte  
       
  Emerson Sheik voltará a ser titular no Corinthians após dois meses, desta vez contra o Santos, às 19h (de Brasília), pela 29ª rodada do Brasileirão, em partida que o Timão usará uma equipe mista.

Aos 40 anos e a dois meses da aposentadoria, o atacante pode fazer seu último jogo da carreira no Pacaembu, palco do título da Libertadores de 2012 e de muitas outras conquistas. Em entrevista coletiva nesta sexta, ele afirmou, porém, que tem tentado não pensar nos ciclos que se fecham.

– Quero terminar minha carreira diferente de outros atletas. Quero poder ser útil diariamente, o Corinthians paga meu salário em dia. Não estou preocupado com esse dia (o da despedida), decidi diariamente dar o meu melhor em gratidão ao que o esporte deu a mim. É a minha maneira de dizer obrigado – afirmou Sheik.
 
      
 

 
  Presente em 33 partidas do ano, exatamente a metade do que fez o time na temporada, Sheik diz que tem tentado ajudar como pode. Titular pela última vez na vitória por 1 a 0 contra a Chapecoense, em 15 de agosto, ele jogou mais 45 minutos em cinco jogos depois disso.

– Hoje venho cedo para o clube (risos), é verdade. A maneira para agradecer o esporte é me dedicar, dar exemplo aos mais jovens e, quando termina o treino, entro no vestiário, chego na minha cabine e digo: "Mais um dia bem feito". Não estou vivendo a despedida, estou preparado para parar. Por enquanto sou atleta e quero dar o meu melhor até o final do contrato.

O fim do contrato, porém, pode não ser a despedida de Sheik do Corinthians. Nos bastidores, alguns membros da diretoria tentam convencê-lo a seguir no clube no pós-aposentadoria. O jogador diz que não se vê fazendo nenhuma função de campo (técnico, auxiliar, etc), mas que se encontrar uma forma de ajudar como cartola, pode embarcar na ideia a partir de dezembro.

– Tenho um sentimento muito bonito pelo Corinthians, eu amo estar aqui, gosto daqui. Minha história é muio maior que os títulos, é com os funcionários, a relação de carinho, respeito e afeto. Imaginar a possibilidade de não tê-los mais por perto me deixa triste. Seria um enorme prazer continuar contribuindo com o Corinthians de alguma forma. Aceitaria ficar não pelo o que construí como atleta, mas se houvesse algo em que eu pudesse realmente ser útil, pudese ajudar. Dessa maneira, sim, eu adoraria ficar. Às vezes um ou outro (diretor) fala, mas não tem nada – disse.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Marcelo Braga (Globo Esporte)