& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Polêmica Gaviões x Bolsonaro: organizadas rivais preferem ficar neutras

 
       
 

em nota oficial a Gaviões da Fiel diz: "Somos uma torcida que defende os direitos do nosso povo e não podemos deixar que o nosso maior representante seja contra nós e contra tudo aquilo que lutamos"

 
  Por:

Voz da Fiel

20/09/2018 07:45:38  
       
 
 
 
       
   Polêmica Gaviões x Bolsonaro: organizadas rivais preferem ficar neutras   
  Foto: UOL  
       
  O presidente da Gaviões da Fiel publicou um manifesto na madrugada desta quarta-feira chamando voto dos associados contra Jair Bolsonaro. De acordo com Rodrigo Tapia, o Digão, muitos organizados têm manifestado apoio ao candidato do PSL o que, segundo ele, "vai contra nossas ideias e joga no lixo nosso passado de muitas lutas".

O texto foi festejado por uma parte da torcida, mas rejeitado por outra. Começou a circular horas depois uma mensagem atribuída a um ex-presidente da organizada criticando o posicionamento do atual líder e declarando voto em Bolsonaro.

As conexões das torcidas organizadas com o universo da política não são novidade, e muitas delas costumam "fechar" com candidatos a cadeiras legislativas. Na última terça-feira, por exemplo, a Máfia Azul, principal organizada do Cruzeiro, manifestou apoio ao senado Aécio Neves, que concorre a deputado federal por Minas Gerais.

Não é tão comum, porém, que as agremiações tomem posição em disputas majoritárias, como ao governo estadual ou federal. Entre as principais torcidas organizadas dos maiores clubes de São Paulo, a Gaviões foi a única que declarou preferência na corrida ao Planalto, chegando até a sugerir a saída de quem votar no militar do PSL.
 
      
 

 
  Henrique Gomes, o Baby, presidente da maior organizada do São Paulo disse que a torcida não vai defender ou criticar nenhum candidato à Presidência "nem de brincadeira." Disse ele: "O são-paulino tem que exercer a democracia. A gente não vai pular na bala, cada um escolhe seu presidente. São várias opiniões diferente e não vamos manifestar. Que vença quem tiver a melhor proposta pelo Brasil."

Presidente da Mancha Alviverde, do Palmeiras, André Guerra disse que a torcida não vai indicar ou vetar o voto de seus associados na campanha ao Planalto. "Sou de esquerda, mas a Mancha é apartidária", afirmou ele. "Não temos compromisso com governador, presidente, nem partido nenhum".

A maior organizada do Santos não respondeu se tem candidato na eleição presidencial. Via assessoria de imprensa, a torcida afirmou que vai lançar nos próximos dias uma nota com sua posição oficial sobre a campanha "sem citar nomes" de candidatos. "Somos contra a opressão e politicamente sempre lutamos por direitos e isso não mudou ao longo de nossos 49 anos", afirmou a agremiação.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Adriano Wilkson (UOL)