& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Loss foi de bancado por Andrés a rebaixado a auxiliar em uma semana

 
       
 

após a eliminação do Corinthians diante do Colo-Colo, Andrés Sanchez garantiu a permanência de Loss como técnico do Corinthians

 
  Por:

Voz da Fiel

06/09/2018 09:43:48  
       
 
 
 
       
   Loss foi de bancado por Andrés a rebaixado a auxiliar em uma semana   
  Foto: Reprodução/Internet/Voz da Fiel  
       
  Por trás do apoio, estava a visão do dirigente de que o técnico precisaria de tempo para trabalhar, em posição compartilhada pelo diretor de futebol Duílio Monteiro Alves. A avaliação que a equipe pode jogar melhor e não evoluía, no entanto, pesaram para a mudança de postura.

A derrota para o Ceará, com atuação ruim, acabou sendo o fim da linha para Loss – que voltará agora a ser auxiliar –, mas não foi a única responsável pela queda. Há pelo menos um mês, a paciência da direção já não era a mesma. O desempenho do time, principalmente, incomodava.

O revés para o Grêmio, por exemplo, embora em casa, poderia ser visto como normal, considerando o nível do rival e os próprios desfalques que o Corinthians na ocasião. A avaliação da diretoria, porém, foi de que a equipe, derrotada de forma apática, tinha que ter jogado melhor.

No compromisso seguinte, contra o Fluminense, nova derrota, com mais uma atuação ruim. Dessa vez, o próprio Andrés reconheceu, abertamente, que o time “não jogou nada”, mas não colocou a culpa apenas em Loss. Cobrou também os jogadores, inclusive, nos vestiários do Maracanã.

O episódio foi um dos que deu força a Loss. No Rio, Andrés garantiu que o técnico ficaria “enquanto não perdesse o vestiário” e o “grupo estivesse fechado”. Os termômetros para a avaliação foram conversas com o próprio comandante e com líderes do elenco, como Cássio e Jadson.

Uma vitória sobre o Paraná no jogo anterior ao duelo decisivo contra o Colo-Colo aumentou a confiança, mas o desempenho novamente não foi totalmente convincente. Veio, então, a partida contra os chilenos e, enfim, o Corinthians mostrou qualidades que não vinha apresentando. O problema é que, na Libertadores, o resultado é que foi ruim, e o clube acabou eliminado.
 
      
 

 
  A expectativa, nos bastidores, era que o Corinthians de Loss, então, engrenasse. Não aconteceu. Bastante desfalcado, o time fez jogo ruim e empatou com o Atlético-MG, em casa, no último sábado. Já nesta quarta, desta vez novamente com o que tinha de melhor à disposição, foi presa fácil para o Ceará.

Na entrevista coletiva em que anunciou a troca no comando, Duílio Monteiro Alves disse que a decisão só foi tomada no vestiário. Andrés, que não estava em Fortaleza, participou à distância. O diretor, por outro lado, afirmou que o clube já deve ter um novo treinador até domingo.

Duílio evitou traçar um perfil dos nomes que o Corinthians trabalhará, mas a preferência é por alguém com experiência para encarar o momento turbulento – e com compromissos importantes pela frente, com o clássico com o Palmeiras no domingo e a semifinal da Copa do Brasil contra o Flamengo, na quarta. Levir Culpi e Dorival Júnior são possibilidades em pauta.

Loss, por sua vez, retorna à condição de auxiliar com aproveitamento de 46,6%, o segundo pior entre os técnicos que comandaram o Corinthians na década, abaixo, por exemplo, de Cristóvão Borges (48,1% em 2016) e acima apenas de Oswaldo de Oliveira (37% também há dois anos).

Loss assumiu o time em maio, depois da ida de Fábio Carille para o Al-Wehda, da Arábia Saudita. Em 25 partidas, teve dez vitórias (duas em amistosos), cinco empates (um em amistoso) e dez derrotas.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Thiago Cara (ESPN)