& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Lisca e Loss vieram do mesmo berço

 
       
 

antes do duelo em Ceará x Corinthians, Lisca e Loss vieram do mesmo berço

 
  Por:

Voz da Fiel

05/09/2018 07:40:09  
       
 
 
 
       
   Lisca e Loss vieram do mesmo berço   
  Foto: UOL  
       
  A partida desta quarta-feira (20h de Brasília) entre Ceará x Corinthians colocará, lado a lado na Arena Castelão, treinadores de gerações diferentes, mas com inícios de trajetórias similares e laços de amizade que até hoje não se romperam. Lisca, o técnico da equipe mandante em Fortaleza, e Osmar Loss, que se tornou há pouco mais de três meses o comandante corintiano, são os responsáveis pela história a ser contada nesta noite na capital cearense. Com a palavra, o próprio Lisca.

"Comecei em 1990 no Inter. O Osmar chegou lá por 1995. Ele teve toda uma trajetória nas escolinhas, no infantil, no juvenil, juniores e no Inter B. Fui à frente dele, e depois ele veio mordendo (risos). Fizemos um belo trabalho na base do Inter, de onde surgiram o Guto [Ferreira, hoje na Chape], eu, o Loss, o Julinho Camargo, o André Luiz [auxiliar técnico]. Nos conhecemos. Depois de vários trabalhos, voltei ao Inter em 2006 para treinar o time B e usei muitos jogadores do sub-20 dele como o Taison, o Sidnei [atua no Betis), Ramon [Vasco], o Pato, o Luiz Adriano...".

A partir dessa parceria em categorias diferentes do Beira-Rio, Lisca e Loss mantiveram uma amizade durante o passar dos anos. O primeiro trabalhou em muitas equipes da Série B e fez bons trabalhos, como no próprio Ceará e no Paraná Clube, além de um breve retorno para tentar salvar o Inter do rebaixamento em 2016. Osmar saiu do Inter, passou por Juventude, Fluminense e Desportivo Brasil, voltou ao Colorado e depois construiu uma carreira interna sólida no Corinthians. Sempre, porém, em contato.

"Falei com ele quando virou treinador do Corinthians. Parabenizei, claro, porque é merecido, ele tem trajetória. Conheço bem a luta dele, todas etapas que passou e depois no Corinthians", recorda Lisca, que não é o único membro da comissão técnica do Ceará muito próximo a Loss. Contratado há uma semana, o auxiliar técnico Marcelo Rospide foi comandante da base corintiana e um dos responsáveis pela investida que tirou Osmar do Beira-Rio para o Parque São Jorge.
 
      
 

 
  "Fui colega de faculdade dele na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Posteriormente, ele na base do Inter e eu na base do Grêmio. Tivemos trajetória profissional parecida na base e tivemos uma boa relação. Quando pude escolher o treinador para o sub-20 com o Fernando Alba [diretor corintiano], acabamos optando por ele pela amizade e muito pela competência", conta Rospide.

"Um cara inteligente, estudioso, que conhece futebol. Tivemos um trabalho muito vitorioso na base. No período em que lá estivemos, ganhamos vários campeonatos, a Tríplice Coroa de 2015. Isso solidificou o Osmar e deu respaldo muito grande para ele ocupar essa função posteriormente. Fiquei muito feliz quando foi promovido a auxiliar no Carille. Já se falava em projeto para ele treinar, o Andrés sempre gostou dele. É mais do que merecida a chance. Competente e torço muito por ele", declarou Marcelo.

As situações dos dois treinadores nos dois clubes, que jogam nesta noite em Fortaleza, não correspondem à posição das equipes que comandam. Penúltimo lugar da competição, o Ceará de Lisca vive momento de esperança desde a Copa do Mundo e teve seu ápice, no domingo, ao bater o Flamengo no Maracanã. Oitavo colocado com 30 pontos, o Corinthians vive fase de questionamentos e instabilidade pelas saídas de jogadores, membros da comissão técnica e resultados irregulares. Loss, apesar de pressão externa, tem recebido respaldo da diretoria do clube.

"É normal, em um time como o Corinthians, o respeito por tudo que o clube fez nos últimos anos", admite Lisca. "Mas o torcedor sabe do momento do clube, uma transição, que há muito tempo já tinha sua maneira de jogar, e caiu para o Osmar fazer a transição. Rejuntar não é fácil, não tem o ganhar a médio e longo prazo, no clube grande se quer o imediato. No Corinthians, mais ainda. É ter paciência e saber que uma hora as coisas se encaixam, mas espero que não contra nós", brincou o treinador.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Dassler Marques (UOL)