& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Jair Ventura diz que é preciso se antecipar e estuda reforços

 
       
 

treinador discute planejamento para 2019 e usa reposição de Emerson Sheik como exemplo

 
  Por:

Voz da Fiel

22/09/2018 07:28:14  
       
 
 
 
       
   Jair Ventura diz que é preciso se antecipar e estuda reforços   
  Foto: Marcelo Braga/Globo Esporte  
       
  O Corinthians sonha com o título da Copa do Brasil e tem mais 13 jogos do Brasileirão pela frente neste ano, mas já está de olho em 2019. O técnico Jair Ventura e a diretoria do clube estudam possíveis reforços para a próxima temporada.

Jair Ventura entende que é preciso se antecipar na busca por contratações para gastar menos e melhor.

– A gente está pensando jogo a jogo, mas a gente também trabalha (olhando para o futuro). Ontem a gente estava vendo alguns atletas, a gente está sempre vendo no mercado. Você tem que se antecipar, não dá para deixar para dezembro, aí fica tudo mais caro. Estamos estudando possibilidades no mercado também – disse o treinador, que, em tom de mistério, brincou:

– Surpresas...

O comandante alvinegro não citou nomes de possíveis contratações, mas explicou como está sendo a procura no mercado:
 
      
 

 
  – O clube já tem um trabalho, que é feito independentemente do treinador. E esses nomes vão chegando, e a gente vai avaliando em conjunto dentro das necessidades. Por exemplo: o Emerson (Sheik) anunciou a aposentadoria. Então, de repente, um jogador com a característica do Emerson, um jogador que esteja acabando o contrato, não vai ser utilizado. A gente está olhando tudo, pensando no jogo a jogo, mas também no geral.

Indagado se gosta de participar do processo de contratações, Jair não escondeu a frustração com seu último trabalho. No Santos, ele foi demitido sem que pudesse usar alguns reforços, como Carlos Sánchez e Bryan Ruiz.

– Quando dá tempo de você usar, é (legal). Não no Santos, que não deu tempo de usar os jogadores que eu indiquei. Fico feliz que as indicações ajudaram o time, é uma situação que a gente gosta. Como treinador, a gente vai acertar e vai errar nas indicações. Quando acerta, é gratificante, assim como lançar jovens. Apesar de ser chamado de burro, tem a parte gratificante (em ser treinador de futebol) – comentou.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Bruno Cassucci (Globo Esporte)