& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Copa muitas vezes se ganha jogando feio

 
       
 

para técnico do Timão, era necessário "retomar os três pontos" contra o Paraná, pelo Brasileirão

 
  Por:

Voz da Fiel

26/08/2018 09:40:41  
       
 
 
 
       
   Copa muitas vezes se ganha jogando feio   
  Foto: Globo Esporte  
       
  Para Osmar Loss, o Corinthians, que vinha de quatro jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro, tinha "necessidade de resultado" contra o Paraná. Por isso, o técnico relevou o fato de o Timão não ter feito um grande jogo na vitória por 1 a 0 na noite deste sábado, na Arena, pela 21ª rodada da competição nacional.

– A entrega dos jogadores foi o mais importante. É claro que a gente queria ter uma qualidade, mas o importante era vencer, retomar os três pontos. A gente sofreu menos, fruto do trabalho defensivo dos atacantes, que roubaram diversas bolas, incomodaram a saída de bola do Paraná – disse Loss, que já projetou o jogo contra o Colo-Colo, na quarta-feira, pela volta das oitavas de final da Libertadores:

– Copa muitas vezes se ganha jogando feio, mas eu sou um treinador que acha que um bom desempenho facilita o serviço da vitória. Hoje (sábado) era o momento de buscar o resultado de qualquer modo, com um gol de bola parada, como aconteceu, mas a gente tem muito a melhorar.
 
      
 

 
  Como perdeu no Chile por 1 a 0, o Corinthians precisa vencer por dois gols de diferença se quiser passar direto para as quartas da Libertadores – vitória por 1 a 0 leva a decisão para os pênaltis.

Loss também comentou o fato de Henrique ter corrido em sua direção após fazer o gol no primeiro tempo. Para o técnico, não foi um ato direcionado a ele, mas que mostra a união do grupo:

– Eu acho que eles foram na direção do banco. A gente tem um grupo muito fechado. Essa imagem representa aquilo que temos no ambiente de trabalho. Sabemos que estamos passando por um momento de dificuldade, de oscilação, de mudança, e a gente se fortalece quando se fecha desse jeito. Há um elo muito forte entre jogadores e comissão técnica, e entre os próprios jogadores. E isso pode eliminar alguns boatos que eles devem ter escutado sobre a gente ter um grupo dividido ou que não gosta das decisões do treinador.
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: Marcelo Braga (Globo Esporte)