& vbCrLfFrase da barra de menu desktop
Logo Voz da Fiel Titulo mobile
       
 

Andrés diz como Timão gastará dinheiro de vendas

 
       
 

ao lado do diretor de marketing Luis Paulo Rosenberg, o dirigente também falou do dinheiro das vendas de jogadores e de patrocinadores na camisa.

 
  Por:

Voz da Fiel

07/08/2018 13:19:38  
       
 
 
 
       
   Andrés diz como Timão gastará dinheiro de vendas   
  Foto: Gazeta Press  
       
  A Arena Corinthians não foi o único assunto que o presidente Andrés Sanchez abordou na estreia de seu programa na TV oficial do clube. Ao lado do diretor de marketing Luis Paulo Rosenberg, o dirigente também falou do dinheiro das vendas de jogadores e de patrocinadores na camisa.

“Sobre as receitas de vendas, é óbvio, que vamos repor alguns jogadores e outra parte vamos usar para pagar contas do dia a dia do clube, reformar o Parque São Jorge, ajudar no CT da base, ajudar no CT profissional, são manutenções que tem que ter. Vamos fazendo o cálculo para o time estar cada vez mais forte e cumprindo compromissos”, disse Andrés.

“Sobre reposição, já trouxemos cinco, seis jogadores, de baixa idade a maioria, para ter um futuro nos próximos três, quatro anos. É isso que queremos no Corinthians, já foi provado nos últimos anos que assim campeonatos virão”, completou, em outro ponto do vídeo.

Já sobre os patrocinadores, foi Rosenberg quem falou mais. O diretor admitiu que a venda do espaço principal da camisa, vago desde abril de 2017 com a saída da Caixa, está “complicada”, mas que o clube hoje arrecada R$ 22 milhões com o uniforme – valor corrigido por Andrés, após o diretor falar em R$ 20 milhões.

“Patrocínio máster, dentro desse esfriamento da economia, ficou mais complicado. Mas o que sempre chamamos de máster é o conjunto das costas e peito. Estamos com R$ 22 milhões vendidos em propriedades, uma grande camisa hoje está sendo vendida por R$ 38 milhões”, disse Rosenberg.

“Sem falar nos R$ 60 milhões da Nike que vêm pela frente. O desempenho do Corinthians continua dos melhores e estamos trabalhando. Acho difícil uma grande instituição que se envolve com patrocínio que não tenha sido procurada pelo Corinthians”, completou.
 
      
 

 
  No primeiro semestre de 2018, segundo demonstrativo financeiro do clube, patrocínios e publicidades, que não envolvem somente o uniforme, renderam R$ 15,5 milhões. A projeção do Corinthians, em orçamento, no quesito é de R$ 87,2 milhões, contudo.

Rosenberg também falou em “R$ 60 milhões da Nike pela frente”, mas na projeção financeira, o valor para a temporada é bem inferior, R$ 23,7 milhões. Em 2017, de fato, a maior parte dessa receita veio da fornecedora de material esportivo, mas em virtude de luvas por uma renovação contratual – o novo vínculo vai até 2029.

Quando fechou seu orçamento para 2018, o Corinthians contava com um patrocinador máster, por isso, projetou receber R$ 63,5 milhões, portanto, bem mais do que os atuais R$ 22 milhões.

Andrés, contudo, fez a ressalva de que, muitas empresas, tem a virada de seu ano fiscal entre setembro e outubro, ou seja, é nesses meses que projetam os gastos para o exercício seguinte.

“Outra coisa que tem que explicar: as verbas publicitárias para os anos seguintes são feitas em setembro, outubro pelas grandes empresas. Fechar o patrocínio no meio do ano, em abril, maio, traz dificuldade muito maior”, justificou o presidente.

Comissão dos empresários

Andrés também tratou sobre outro tema polêmico envolvendo as finanças alvinegras, comissões pagas a empresários. Em relatório da CBF, que reúne apenas valores declarados como recebidos por empresários, o Corinthians apareceu no topo, com quase R$ 13 milhões entre março de 2017 e abril de 2018.

“O Corinthians não é o que mais paga. Sempre que tiver que pagar, vai pagar e vai declarar o que pagou. É diferente de clubes que venderam grandes jogadores e compraram grandes jogadores e não declararam nada. Tem time que gastou R$ 25 milhões, R$ 30 milhões de comissão e não aparece por quê? Empresário não é credenciado pela CBF, não declara... O Corinthians faz questão de todas as comissões, seja para quem for, sejam declaradas, não só na CBF, como na Fifa também.”
 
      
   
 

 
 
Avaliação desta notícia vai para: ESPN